Page Banner

United States Department of Agriculture

Agricultural Research Service

Title: Rt-Pcr Detection of Citrus Leprosis Virus in Shrubs and Weed Plants Infected Through Brevipalpus Phoenicis (Acari: Tenuipalpidae)

Authors
item Nunes, M. A. - DEPTO. FITOSSANIDATE
item Freitas-Astua, J. - ESALQ
item Kitajima, E. W. - CAPTA CITROS SM-IAC
item Hilf, Mark
item Gottwald, Timothy
item DE Oliveira, C. A. L. - DEPTO. FITOSSANIDATE

Submitted to: Congresso Brasileiro de Entomologia Proceedings
Publication Type: Proceedings
Publication Acceptance Date: March 1, 2006
Publication Date: May 1, 2006
Citation: Nunes, M., Freitas-Astua, J., Kitajima, E., Hilf, M.E., Gottwald, T.R., De Oliveira, C. 2006. Rt-pcr detection of citrus leprosis virus in shrubs and weed plants infected through brevipalpus phoenicis (acari: tenuipalpidae). Congresso Brasileiro de Entomologia Proceedings.

Technical Abstract: No Brasil são gastos anualmente cerca de US$ 80 milhões para controle de Brevipalpus phoenicis, vetor do vírus leprose dos citros (CiLV). Este ácaro possui comportamento polífago e cosmopolita, presente em inúmeras espécies de plantas junto aos pomares cítricos. Neste trabalho foi investigada a possibilidade de plantas utilizadas como cercas-vivas e quebra-ventos, bem como plantas invasoras comuns em pomares cítricos, hospedarem o CiLV. O ensaio foi realizado em casa de vegetação, no qual vinte ácaros provenientes de uma criação-estoque sobre frutos de laranja “Pêra”, com sintomas de leprose, foram transferidos para folhas isoladas por barreira adesiva de cada planta. Foram utilizadas cinco plantas de cada espécie: hibisco (Hibiscus rosa-sinensis), malvavisco (Malvaviscus arboreus), grevílea (Grevilea robusta), urucum (Bixa orellana), trapoeraba (Commelina benghalensis), mentrasto (Ageratum conyzoides), e citros (Citrus sinensis “Pêra”). Após 90 dias da infestação, os ácaros descendentes foram transferidos para mudas de laranja “Pêra”, a fim de testar a transmissibilidade do vírus para os citros, nas quais se verificaram sintomas típicos de leprose. No grupo controle foram utilizados ácaros avirulíferos, que não obtiveram acesso alimentar em tecido doente, no qual não se verificou a manifestação de sintomas de leprose ou se logrou detectar CiLV-C. Amostras de tecidos das plantas submetidas a alimentação de ácaros virulíferos e avirulíferos foram submetidas a RT-PCR com primers específicos para o gene da proteína de movimento (MP) do CiLV. Apenas as inoculadas apresentaram uma banda de cDNA de tamanho esperado em gel de agarose. Estes resultados indicam que as plantas analisadas podem ter papel importante na epidemiologia da doença devido às evidências de que o vírus da leprose pode infectá-las.

Last Modified: 4/16/2014
Footer Content Back to Top of Page